[Mitologia] Mitologia Saint Seiya - Kraken

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

default [Mitologia] Mitologia Saint Seiya - Kraken

Mensagem por ShiryuFSR em 19.11.13 20:17

Mitologia Saint Seiya - Kraken

"Kraken aparecia de repente, bloqueando a navegação dos navios
e os devorava num instante

As pessoas ainda têm medo de que essa lenda possa ser verdade,
mas comenta-se que Kraken nunca atacava navios onde viajavam pessoas inocentes,
o que significa que ele só acabava com pessoas perversas e malvadas

Ele não tinha piedade com pessoas que procuravam machucar as outras

É por isso mesmo que eu quero ter a crueldade e o poder de Kraken:
eu lutaria contra a maldade, eu não teria misericórdia e acabaria com ela,
contanto que a paz na Terra fosse mantida

Lutar pela paz é a nossa missão como Cavaleiros"

Issac de Kraken




Kraken são monstros marinhos lendários de proporções gigantescas. Dizem residir entre as costas da Noruega e Islândia. A lenda pode ter se originado a partir de avistamentos de lula gigante, que são estimados a crescerem até 13 metros de comprimento. O tamanho e a aparência temível atribuída ao Kraken o tornou um monstro dos oceanos, comum em várias obras de ficção.

Sendo o Kraken uma figura principalmente ligada ao folclore nórdico, é justamente protegendo essa região que se encontra o Marina da escama de Kraken: no Pilar do Oceano Ártico. Apesar das referências mais conhecidas o descreverem como uma lula ou polvo gigantes, Kurumada representou o monstro do mar como sendo uma raia.



Kraken e a sua História:

Na versão do final do século 14 da Saga de Örvar-Oddr, é inserido um episódio de uma viagem com destino a Helluland (Ilha de Baffin, a maior ilha do Canadá) que leva o protagonista através do mar da Groelândia e aqui ele identifica dois grandes monstros marinhos chamados Hafgufa ("sea mist") e Lyngbakr ("heather-back"). Acredita-se que hafgufa seja uma referência ao kraken.


Hafgufa & Lyngbakr

"Agora vou dizer-lhe que há dois monstros marinhos. Um é chamado de hafgufa, o outro, lyngbakr. Este é a maior baleia do mundo, mas o hafgufa é o monstro mais gigantesco do mar. É da natureza desta criatura engolir homens e navios, e até mesmo baleias e tudo o mais ao seu alcance. Ele permanece submerso durante dias, então levanta a cabeça e narinas acima da superfície e permanece assim pelo menos até a mudança da maré. Agora, parece que aquilo que nós navegamos foi apenas o espaço entre suas mandíbulas, e suas narinas e maxilar inferior foram aquelas pedras que apareceram no mar, enquanto o lyngbakr foi a ilha que nós vimos afundar. No entanto, Ogmund Tussock (*inimigo de Örvar-Oddr em outras histórias) enviou estas criaturas a você por meio de sua magia para causar a morte em você (Örvar-Oddr) e em todos os seus homens. Ele pensou que mais homens teriam o mesmo destino daqueles que já se afogaram (ou seja, o lyngbark que confundido com uma ilha, afundou aos outros), e que o hafgufa engoliria a todos nós. Hoje eu naveguei através de sua boca porque eu sabia que ele tinha recentemente vindo até a superfície."

Após retornar da Groelândia, o autor anônimo da obra científica, escrita em Norueguês antigo por volta de 1250, Konungs skuggsjá (*Konungs skuggsjá significa "Espelho do rei", sendo um texto educacional), descreveu em detalhes a característica física e comportamento alimentar dessas bestas.

"Há um peixe que ainda não foi mencionado, o qual é pouco recomendável falar por conta do seu tamanho, porque vai parecer para a maioria das pessoas inacreditável. Há apenas alguns poucos que podem falar sobre isso claramente, porque ele está raramente perto da terra e nem aparece onde pode ser visto por pescadores, e suponho que não há muitos desse tipo de peixe no mar. Na maioria das vezes, em nossa língua, chamamos de hafgufa. Nem consigo falar de forma conclusiva sobre seu comprimento em ells (*ell é uma unidade de medida), porque as vezes em que ele foi revelado diante dos homens, ele parecia mais como uma superfície do que como um peixe. Sequer ouvi que algum tenha sido capturado ou encontrado morto; e me parece que não deve haver mais do que dois nos oceanos, e eu creio serem incapazes de se reproduzirem, pois acredito que avistamos sempre os mesmos. Também, se hafgufa fosse em tanta quantidade como outras baleias, por conta de sua imensidão, o quanto de subsistência de que necessitariam. Diz-se ser a natureza destes peixes que quando um tem vontade de comer, ele estende para cima o seu pescoço e provoca um grande arroto, e seguindo este arroto sai muita comida, de modo que todos os tipos de peixes que estão passando nas proximidades irão para este local, então vão se reunir, tanto pequenos como grandes, acreditando que obterão ali comida e que comerão bem, mas este grandioso peixe deixa sua boca entreaberta enquanto isso, e a brecha não é menos ampla que o Great Sound (*região das Ilhas Bermudas) ou os fiordes, e nem conseguem os peixes escaparem juntos de lá pela sua grande quantidade. Mas assim que seu estômago e boca estão cheios, então ele cerra sua mandíbula e tem todos os peixes capturados e trancafiados, que antes avidamente vieram à procura de alimento."



Carta Marina de 1539 mostrando uma variedade de monstros nas águas entre Noruega e Islândia.

Apesar de ser uma lenda, o Kraken chegou a ser classificado cientificamente na lista de animais existentes. Carolus Linnaeus classificou o Kraken como um cefalópode, designando o nome científico Microcosmus marinus na primeira edição de seu Systema Naturae (1735), um sistema de classificação taxonômica dos organismos vivos. A criatura foi excluída das edições seguintes. Um trabalho posterior de Linnaeus, Fauna Suecica (1746) chama a criatura de singulare monstrum, "um monstro único", e escreve sobre ele habitare fertur in mari Norwegico, ipse non dum animal vidi, "diz-se que habitam os mares da Noruega, mas eu não vi esse animal".

Kraken também foi amplamente descrito por Erik Pontoppidan, bispo de Bergen, na sua Det Forste Forsorg paa Norges Naturlige Historie "Natural History of Norway" (Copenhagen, 1752-3). Pontoppidan fez várias afirmações a respeito do kraken, incluindo a noção de que a criatura foi, algumas vezes, confundida com uma ilha e que o perigo real para marinheiros não era a criatura em si, mas o redemoinho deixado em seu rastro. No entanto, Pontoppidan também descreveu a destruição potencial da besta gigante: "diz-se que se os braços da criatura estiverem agarrados aos maiores Man-of-war (*navios de guerra), eles os puxariam até o fundo". De acordo com Pontoppidan, pescadores noruegueses muitas vezes assumiram o risco de tentar pescar sobre o kraken, já que a captura era tão abundante nas proximidades (daí o ditado "Você deve ter pescado no Kraken!"). Pontoppidan também propôs que um exemplar do monstro, "talvez um jovem e descuidado", tenha sido levado pelo mar para a terra, onde morreu, em Alstahaug em 1680. Em 1755, a descrição do kraken por Pontoppidan foi traduzido para o inglês.

O autor sueco Jacob Wallenberg descreveu o Kraken em seu trabalho no ano 1781 - Min son på galejan:

"O Kraken fica no fundo do mar, constantemente cercado por inúmeros pequenos peixes, que servem como seu alimento e em troca, são alimentados por ele, porque a sua refeição (se bem me lembro o que E. Pontoppidan escreve), não dura mais de três meses, e outros três são então, necessários para digeri-la. Seus excrementos nutrem na sequência um exército de peixes menores, e por esta razão, pescadores sondam seu local de descanso...
Gradualmente, o kraken sobe para a superfície, e quando ele está de dez a doze braças, é melhor os barcos afastarem-se de suas proximidades, já que ele logo em seguida vai emergir como uma ilha flutuante, jorrando água pelas espantosas narinas e provocando anéis de ondas ao seu redor, que podem alcançar muitas milhas de distância. Pode-se duvidar de que este é o Leviatã de Jó?"


Em 1802, o francês malacologista (*especialista em moluscos) Pierre Dénys de Montfort reconheceu a existência de dois tipos de polvo gigante em Histoire Naturelle Générale et Particulière des Mollusques, uma enciclopédia de moluscos. Montfort alegou que o primeiro tipo, o polvo kraken, havia sido descrito por marinheiros noruegueses e baleeiros americanos, bem como os escritores antigos, como Plínio, the Elder. O segundo tipo, muito maior, o polvo colossal, foi relatado ter atacado um navio à vela de Saint-Malo, na costa da Angola.
Montfort, mais tarde se atreveu a afirmações mais impressionantes. Ele propôs que dez navios de guerra britânicos, incluindo o navio francês capturado em Ville de Paris, que desapareceu misteriosamente numa noite em 1782, deve ter sido atacado e afundado por polvos gigantes. Os britânicos, no entanto, sabiam, graças a um sobrevivente de Ville de Paris, que os navios foram perdidos em um furacão na costa de Newfoundland, em Setembro de 1782, resultando em uma revelação vergonhosa para Montfort.


Polvo Gigante de Pierre Dénys de Montfort (1801)


Polvo Gigante de Pierre Dénys de Montfort (1810)

Kraken no mundo dos Games:

Spoiler:
Final Fantasy (1987)



"Ho, Ho, Ho... Quão imprudente para ousar desafiar-me, Kraken o Demônio da Água".
- Kraken


EarthBound (1994)



"Oh, cara! Pensei que vocês fossem sempre pequenas crianças, mas você venceu o Kraken! Eu também ajudei na batalha... Eu joguei meus chinelos na besta... Talvez você não tenha percebido."
- Capitão, após Kraken ser derrotado


The Ocean Hunter (1998)



Age of Mythology (2002)
Fable: The Lost Chapters (2004)
World of Warcraft (2004)
Marvel: Ultimate Alliance (2006)
God of War II (2007)



Tomb Raider: Underworld (2008)
Darkfall Online (2009)
Heroes of Newerth (2010)
Darkfall: Unholy Wars (2013)
Smite (2013)

Kraken no mundo dos Filmes:

Spoiler:
Clash of the Titans (1981)





Kraken é um gigante humanoide com quatro braços, escama e cauda de peixe.

Atlantis: Milo's Return (2003)



Kraken: Tentacles of the Deep (2006)



Pirates of the Caribbean: Dead Man's Chest (2006)





"Eu não acho que é 'Kraken'. Sempre ouvi dizerem 'Kray-ken.'"
"O quê? Com um longo 'A'? Na-na-na-na, 'Kroh-ken' é como se é pronunciado do original Escandinavo, e 'Kraken' é o mais próximo disto."
"Bem, não somos de origem Escandinava, somos? 'Kray-ken.'"
"É uma criatura mitológica, eu posso chamar do jeito que eu quiser!"

- Pintel e Ragetti


"Que não se ouçam vozes alegres!
Que nenhum homem olhe para o céu com esperança!
E que amaldiçoado esse dia seja por nós que despertamos...
O Kraken."

- Davy Jones


Clash of the Titans (2010)





Kraken no mundo da Filatelia:

Spoiler:
Antígua e Barbuda - Twenty Thousand Leagues Under the Seas (1996)





Estes selos fazem parte de uma coleção com os personagens de Walt Disney nas histórias de Júlio Verne. Mickey Mouse (Capitão Nemo) e Pato Donald (Ned Land) enfrentando o cefalópode gigante de Vinte Mil Léguas Submarinas.

Território Antártico Australiano - (1973)



Um cachalote atacando uma lula gigante (Kraken).

Canadá - The Kraken (1990)



Parte de um conjunto de quatro selos comemorativos de animais lendários canadenses. Os outros são Pé Grande, Lobisomem e Ogopogo.

Dominica - (1983)



Este selo mostra uma Baleia Bicuda de Cuvier (Goosebeak Whale) comendo uma lula gigante. Um de um conjunto de quatro selos que descreve baleias. Os outros selos exibem a Baleia Jubarte (Humpback Whale), a Grande Baleia Franca (Great Right Whale), e a Baleia Cabeça de Melão (Melonhead Whale). A folha de souvenir mostra o Cachalote Pigmeu (Pygmy Sperm Whale).

França - (1982)



Cena do romance de Jules Verne, Vinte Mil Léguas Submarinas, em que um cefalópode gigante ataca o submarino do Capitão Nemo, o Nautilus.

Guernsey - (1997)



Nesta selo Gilliatt, protagonista do romance de Victor Hugo Os Trabalhadores do Mar, luta contra um polvo gigante. Guernsey oferece o cenário para o romance. O rosto de Victor Hugo aparece na espuma do mar. Uma folha miniatura acompanha descreve brevemente o romance.

Guiana - (1996)



Doze selos sobre a exploração do oceano profundo incluindo a lula gigante e seu inimigo, o cachalote.

Nova Zelândia - (1998)



Lula gigante, parte de um conjunto de oito selos comemorando o mundo subaquático. Outros selos em conjunto retratam o Moonfish, o tubarão Mako, o atum albacora, o peixe porco-espinho, o marlin listrado, o raio de Águia, e do bodião Sandager.

Nova Zelândia - (1999)



Esta folha de souvenir foi emitida para comemorar o Philex France 99 World Stamp Exhibition (Exposição Filatélica Mundial), em Paris.

Palau - (1993)



Esta folha de vinte e cinco selos retrata monstros pré-históricos e lendários do Pacífico e inclui o Kraken.

Palau - (2000)



Esta folha mostra a lula gigante e uma baleia.

Seychelles - (1984)



Este selo representa uma lula gigante atacando um cachalote. Parte de um conjunto de quatro selos comemorativos pela conservação das baleias.

Namíbia - (1980)



Este selo, que mostra um cachalote atacando uma lula gigante e faz parte de um conjunto de seis selos comemorativos pela conservação das baleias. Além do cachalote, os outros selos retratam a baleia assassina (orca), a baleia-jubarte, a baleia franca austral, a baleia fin, e a baleia azul, juntamente com um mergulhador.

Saint-Pierre e Miquelon - (1975)



O Farol Cap Blanc, uma baleia, e uma lula gigante.

Togo - (1980)



Cena do romance de Verne, Vinte Mil Léguas Submarinas, em que um cefalópode gigante ataca submarino do Capitão Nemo, o Nautilus.

E mais Krakens:

Spoiler:
Pokémon: Tentacruel

Personagem principal de um dos episódios banidos (no canal Kids' WB!), embora sem nenhuma referência, o Tentacruel segue as descrições antigas do que seria um Kraken: espécie jellyfish (água viva/medusa), vive nas profundezas dos oceanos, possui 80 tentáculos e pode atingir um comprimento assustador.





"Sabe quantos destes tentáculos eu tenho? Oitenta!"

- Tentacruel


Bebida alcoólica: The Kraken Rum (Caribe)



A marca de bebidas criou um livro online com alguns "fatos" sobre o Kraken, deixo aqui algumas páginas:

















Montanha russa: SeaWorld Orlando - Kraken Roller Coaster





Lego: Kraken Attackin' (6240-1)


Referências:
Saint Seiya episódio 108 - Isaak, o Homem que Esqueceu os Sentimentos
http://en.wikipedia.org/wiki/Kraken
http://no.wikipedia.org/wiki/Kraken
http://en.wikipedia.org/wiki/Orvar-Odd
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ilha_de_Baffin
http://en.wikipedia.org/wiki/Kraken_in_popular_culture
http://en.wikipedia.org/wiki/Giant_squid
http://en.wikipedia.org/wiki/Colossal_Squid
http://en.wikipedia.org/wiki/Man-of-war
http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%96land
http://www.pibburns.com/cryptost/kraken.htm
http://bulbapedia.bulbagarden.net/wiki/Tentacruel_%28Pok%C3%A9mon%29
http://www.krakenrum.com/book
http://www.brickset.com/detail/?set=6240-1
http://www.imdb.com
Texto por ShiryuFSR


Última edição por ShiryuFSR em 04.01.14 22:24, editado 1 vez(es)
avatar
ShiryuFSR
Redator
Redator

Masculino Peixes
Idade : 28
Localização : Brasil
Data de inscrição : 19/04/2011

http://www.clothmythbrasil.com/t12723-colecao-shiryufsr-nova-colecao-no-cmb#410344

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: [Mitologia] Mitologia Saint Seiya - Kraken

Mensagem por hayonik em 20.11.13 16:02

Excelente tópico, parabéns!
avatar
hayonik

Masculino Gémeos
Idade : 29
Data de inscrição : 13/08/2012

http://www.clothmythbrasil.com/viewforum.forum?f=24

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: [Mitologia] Mitologia Saint Seiya - Kraken

Mensagem por fogobr em 20.11.13 20:46

Excelente mesmo, uma verdadeira aula sobre o Kraken!!
avatar
fogobr

Masculino Touro
Idade : 36
Localização : Heavy Metal Land
Ocupação : Economista de cloths

Data de inscrição : 19/04/2012

http://www.clothmythbrasil.com/viewforum.forum?f=24

Voltar ao Topo Ir em baixo

default Re: [Mitologia] Mitologia Saint Seiya - Kraken

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum